• contato@uph.org.br

TEXTO BASE
"Lembrai-vos dos presos como se estivésseis presos com eles e dos maltratados como sendo-o vos mesmo também no corpo" – Hebreus 13:3.

FINALIDADE DO PROJETO
a) Alcançar os que estão atrás das grades, prestando assistência espiritual e social, pregando aos presidiários as boas novas do Evangelho, independentemente de religião, condição social, raça, cor e sexo;
b) Desenvolver o Projeto tendo como público alvo os presidiários, agentes, funcionários, e familiares de presidiários;
c) Dar relevância à Igreja Presbiteriana do Brasil nas áreas evangelística e social;
d) Promover a mobilização dos Homens Presbiterianos na tarefa da Evangelização;
e) Promover a proclamação do Evangelho, o cuidado com os convertidos e a integração dos alcançados.

DESENVOLVIMENTO DO PROJETO
- O Projeto será desenvolvido através de visitas aos presídios e carceragens;
- Promover o anúncio das boas novas do Evangelho, nas oportunidades que surgirem na visitação;
- Prestar atendimento social e outras ações pertinentes a cada pessoa necessitada;
- Usar preferencialmente como literatura a ser entregue ao presidiário a Bíblia Sagrada, O Novo Testamento da UPH e o Livreto: "O Que a Bíblia Diz"; - O Projeto deve iniciar-se com a conhecimento das exigências dos presídios onde se pretende realizar o trabalho, colhendo-se informações detalhadas quanto à visitação;
- Receber Indicação de nomes de presidiários a serem visitados, através de familiares, ou membros da igreja promotora do Projeto, ou mesmo nas filas dos presídios em dias de visita;
- Programar a visita, de preferência em conjunto com familiares. Os presídios normalmente estabelece o número de visitantes por presidiário, sendo muitas vezes os nome dos visitantes indicado pelo próprio presidiário;
- Verificar qual o tipo de alimentação pode ser levada ao presidiário e qual embalagem que deve ser usada;
- Ir a visita com pouco dinheiro, documento de identidade e não levar celular;
- Evitar ser portador de qualquer encomenda, como cartas, bilhetes, etc, entregues por presidiários;
- Respeitar rigorosamente o horário de visita, quanto à entrada e saída do presídio;
- Dar assistência à família do detento.

CAPACITAÇÃO
O Capelão precisa ter uma chamada de DEUS para este ministério. Deve viver em santificação, sendo cheio do Espírito Santo. Deve ainda ser amável e comprometido com a evangelização.

Este projeto poderá ser desenvolvido em conjunto com a SAF e a UMP. Os Capelães e Capelãs devem ter a forte convicção que Deus deseja salvar a todos, inclusive aqueles que se encontram presos.

Em nosso País temos mais de meio milhão de pessoas no regime carcerário, Indiretamente, juntando os familiares, que também sofrem, chegamos aproximadamente a, mais ou menos, quatro milhões de pessoas, sendo muito oportuno e necessário uma ação evangelizadora da Igreja Presbiteriana do Brasil.

Os capelães e capelãs devem receber treinamento e orientações por lideres experientes na área de capelania prisional. Existem no Internet cursos que preparam capelães e capelãs, dando a necessária capacitação.

CUIDADOS A SEREM TOMADOS PELO CAPELÃO PRISIONAL
Devem ser tomados os seguintes cuidados no desenvolvimento do trabalho:
1º) Evitar Envolvimento Emocional;
2º) Evitar Envolvimento Sentimental;
3º) Evitar Envolvimento Jurídico;
4º) Evitar Envolvimento Financeiro;
5º) Evitar Envolvimento com o Sistema.

Aprovar previamente o Projeto nos Conselhos das Igrejas Presbiterianas envolvidas no trabalho.

Confederação Nacional dos Homens Presbiterianos – CNHP
Formatado pela Secretaria de Evangelização
Secretário: Presbítero Paulo Silas Casini


Autor do Projeto: Presbítero EDSON REGLY
Na ocasião: Secretário de Espiritualidade da CNHP.
Aprovado no Congresso Nacional de UPHs. – Ano 2014.

"Lembrai-vos dos presos como se estivésseis presos com eles e dos maltratados como sendo-o vos mesmo também no corpo" – Hebreus 13:3.
© Copyright 2015 | Confederação Nacional de Homens Presbiterianos
Desenvolvido por Dimark Soluções Digitais